Sou um Super Gênio – Foi o MEC quem disse

24 08 2007

Revista Veja - 22/08/2007

 

Muito feliz eu, fui dar uma olhada na revista Veja, edição de 22/08/2007. Nunca gostei muito desta revista, por abordar sempre o caos da política que nos envolve, mas algumas matérias merecem ser lidas.

            Desta vez, a primeira matéria que chamou a minha atenção, foi uma que tratava da implementação do ensino de idiomas para crianças de, na média, quatro anos. Nada de diferente foi apresentado na matéria, mas resolvi ler para aumentar meu conhecimento em referência a dados.

            A outra matéria, na verdade uma seção da revista, a Guia Veja, foi “pacabá”! A seção abrangia duas páginas lado a lado, com algumas fotos de adolescentes, computador… Tinha com título, em grande letras azuis: “As Lições dos Bons Alunos”. Uma matéria com um título desse, obviamente que chama a atenção do leitor, do aluno leigo e do aluno inteligente. O leigo lê com o intuito de descobrir os “segredos” do inteligente; já o inteligente, lê para realmente ter a certeza de que é inteligente.

            A primeira lição do bom aluno, é saber administrar o seu tempo, disso todos sabemos. Sabemos também da importância da segunda lição: a leitura. Foi esta lição que me fez mostrar o quão gênio sou. Pois, como dizia a matéria, a melhor leitura não é aquela de apostilas, mas sim, daqueles livros de lazer. Meninas que lêem diários e meninos que lêem terror. Parece brincadeira dizer que lendo estes gêneros aprende-se alguma coisa, mas sim, realmente se aprende (leia a série O Diário da Princesa, de Meg Cabot, e depois conversamos).

            Ainda nesta segunda lição do bom aluno, o Guia nos diz que o bom aluno lê por ano, seis livros!! Da onde? Isso é um absurdo!! E é aqui que explico o meu título: se um bom aluno lê em um ano seis livros, então eu sou um Super Gênio; pois ano passado eu li 36 vezes mais que isso. Pode ser que eu seja um dos membros de um seleto grupo, o grupo dos apaixonados pela leitura, mas mesmo assim, há muitas pessoas que lêem muito mais que isso.

            Termino por aqui. Quem quiser ler as outras lições, que o faça. Ao final da leitura, talvez você também conclua que é um Super Gênio.

 

                                                           Jorge Moisés Kroll do Prado

Anúncios




OPINIÕES – por Augusto Sobrinho

24 08 2007

Dizem que vivemos num país democrático, onde todos temos o direito de ir e vir. Onde todos podem se expressar da maneira que desejam, onde a liberdade de imprensa é uma lei (ou não, pois nosso governo está querendo acabar com isso novamente) onde dizem, nascemos livres… Mas quem realmente os são?

Acreditava-se que os Centros de Ensino Superior (Faculdades, Centros Universitários, Universidades), fossem locais onde formavam-se novos pensadores, novas mentes que escreveriam a nossa história, a história da nossa sociedade, do nosso país… Mas acredito que isso é um engano!Digo isso, pois não se pode ter uma opinião diferente dentro de sala de aula, tem que se ter a visão e concordar com as mesmas coisas que o professor(a) dita em frente à classe.Sei que não devemos desrespeitar os Mestres, mas Mestre é aquele que tem a Sabedoria de ouvir seu discípulo, e mesmo que não concorde, respeitar sua opinião, seu ponto de vista.

Ouço todos os dias numa rede de rádio, professores da rede pública, municipal e até mesmo particular de Ensino Médio e Fundamental, reclamando a respeito da atual situação em que nossa Educação se encontra. Até agora, não ouvi um, um sequer que fosse otimista com relação ao assunto.O meu ponto de vista era completamente diferente em uma de minhas aulas. Toda análise que era feita pela professora, eu perguntava o porquê (sempre me interessei em saber o porquê das coisas), sempre dava minha opinião…

Bem, conclusão. Ela não foi muito otimista com minhas perguntas e contradições, portanto decidi que não abro mais minha boca.

 Augusto Sobrinho





Remakes

14 08 2007

Neste final de semana, estive lendo em um site na Internet sobre remakes. Não sei o porquê, mas o assunto chamou a minha atenção, portanto, fui fuçar o cyber-espaço em busca de informações. 

Encontrei algumas coisas interessantes, como comparações entre obras originais e seus remakes, onde a unanimidade era em que os remakes não possuíam qualidade alguma e os orginais eram superior, claro que com raras exceções. 

Algum tempo atrás, estava assistindo à série de filmes (três) de “Missão: Impossível”, estrelada e produzida por alguém que já foi astro em Hollywood e hoje anda meio em baixa, Tom Cruise. 

O primeiro filme, de 1995, contava com atores de peso, como Jon Voight e Vanessa Redgrave, e tinha até um plot até que interessante (o qual precisa de muita atenção para ser compreendido), onde o chefe do grupo Jim (John Voight) acaba traindo sua equipe, o que inclui matar sua própria esposa, e ganhar com isso, milhões em dólares, libras… (que seja!). O filme não foi muito bem aceito pelos fãs da série, onde um grupo, e não apenas um Ethan Hunt (Tom Cruise) salvava o Mundo. 

Independente disso, o filme fez milhões, encheu o bolso de muita gente e gerou uma seqüência (Hollywood adora isso) a qual foi lançada em 2002. 

Li a matéria em alguma revista especializada e fui assistir ao filme no cinema. O trailer era muito bom, as chamadas então, tentadoras. Um filme de John Woo (o papa dos filmes de acrobacias atuais) e Tom Cruise num mesmo pôster. 

A história deste aqui é de doer: vírus mortal nas mãos erradas. Que original (isso que o filme conta com a presença de Robert Towne, ganhador do Prêmio de Melhor Roteiro por “Chinatown”), a desculpa pra mim (algo que pode ser visto nos extras do DVD) é que quando Towne foi chamado a escrever o roteiro a história já estava pronta. 

Pois bem, mais uma vez vemos um membro do M:I Force tentando roubar para si uma quantia enorme em dinheiro, tentando vender um vírus Quimera, onde quem quisesse se salvar, pagaria um alto preço pela cura, neste caso Belerafonte (os nomes são um brincadeira com a Mitologia Grega). E aí que entra nosso herói, Ethan Hunt para mais uma vez salvar o Mundo dos mal-feitores. 

O terceiro filme da série, lançado este ano, me animou na primeira vez em que o assisti, pois ele era mais espionagem do que malabarismos (presentes no segundo filme), com uma trama mais humana e com um mistério que nem é solucionado no final (o que diabos é aquele bendito “Pé de Coelho”?). 

Mas aí me dei conta, mais uma vez a mesma trama, o mesmo fio condutor de toda narrativa: alguém de dentro da Agência se alia aos mal-feitores e tenta com isso… ganhar muito dinheiro!!!

 Tom aparece para salvar o dia (sozinho como sempre) e consegue mais uma vez seu objetivo: salvar o Mundo e ficar com a garota (algo que não aconteceu no primeiro filme). 

Agora eu pergunto: o que aqui é remake? 

Refilmar um filme já produzido, ou refilmar filmes diferentes usando “a mesma” história? 

Augusto Sobrinho

____________________________________________

Eis mais uma colaboração de meu amigo Augusto. Dentro em breve, postarei algumas informações a seu respeito… e surpreendam-se!





A primeira colaboração!!

8 08 2007

Hoje, ao meio-dia, recebi um comentário de meu colega Augusto Sobrinho. Mas acho que ele não entendeu o seu verdadeiro objetivo aqui neste blog: ele também fará suas postagens! Decidi usar o método Ctrl C + Ctrl V para colocar o comentário dele como uma postagem (espero que não fique bravo).

Logo logo, colocarei um resumo digno na página Colaboradores falando mais deste companheiro. Abaixo segue o comentário que virou postagem:

 —————————–

Quero falar aqui sobre um livro que já li várias vezes (por sinal, foi uma das primeiras coisas, senão me engano a primeira que comprei com meu primeiro salário) chama-se “Os Olhos do Dragão”, do mestre do suspense e terror: Stephen King.

Esse livro foge totalmente ao estilo tão característico desse autor. “Os Olhos do Dragão” conta a saga de dois princípes irmãos Tomás e Pedro no Reino de Delain, onde o conselheiro do rei e mago do reio, Flagg, planeja algo contra a coroa e seus dois herdeiros.

Devido a ingenuidade do irmão mais novo (Tomás), Pedro acaba sendo acusado de assassinar o Rei, seu pai, e é condenado a prisão perpétua… Mas há muito mais por trás do que só apenas isso….

O livro vai te conduzindo por meio de inteligentes jogos de suspense, onde os capítulos se alternam para compor esse Conto de Fadas Moderno.

O King disse que escreveu o livro para sua filha mais nova, Naomi King, a qual nunca fora muito interessada nos trabalhos anteriores do pai, como os romances “O Iluminado”, “Carrie – A Estranh” e “Cemitério Maldito”. Tanto que o livro é dedicado a ela.

Sendo assim, King conquistou uma nova leitora, e seus fâs mais uma obra-prima do mestre do suspense!

Abraços!!!

Augusto Sobrinho





Título do Blog

7 08 2007

Ainda estou em dúvida quanto ao título do blog, portanto, idéias para um novo título serão bem-vindas!!

Agradeço desde já!





Idéias para o blog

7 08 2007

Hoje tive uma idéia totalmente diferente para este blog: quero compartilhar com amigos alguns textos e vídeos. Maiores informações na página Como participar do blog?

Vamos ver no que vai dar!! Estou esperançoso!!

Quero ver se consigo trazer algumas surpresinhas para cá… Aguardem e confiem!!





Iniciando um blog

6 08 2007

Criei este blog com o intuito de postar sobre livros. Aqui quero comentar o que leio. Não deixarei de postar spoilers!!!

Mas fiquem calmos! Cada título de postagem será o nome do livro, portanto leiam o que queiram, ok?

Um grande abraço!

P.S.: Logo, notícias sobre Harry Potter and the Deathly Hallows!